Páginas

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

HP investe em projeto de armazenamento de dados

Randy Mott, vice-presidente de informação da HP, é visto como o mestre do armazenamento maciço de dados

Randy Mott, vice-presidente de informação da HP, é visto como o mestre do armazenamento maciço de dados

Pouco depois de assumir a presidência executiva da Hewlett-Packard (HP), em 2005, Mark Hurd percebeu que, a despeito de ser uma das maiores fornecedoras mundiais de tecnologia, a HP sofria de uma deficiência tecnológica séria e paralisante. Não existia um método que permitisse que os executivos se informassem facilmente sobre o que estava acontecendo em toda a companhia.

Cada unidade da gigante da computação sediada em Palo Alto, na Califórnia, operava sistemas próprios para rastrear informações sobre quesitos essenciais como estoques, custos de componentes e despesas de marketing. Não existia um sistema central que agregasse todos esses dados e oferecesse aquilo que Hurd gosta de definir como "uma versão unificada da verdade".

Hurd desenvolveu sua paixão pela busca desse objetivo em um de seus empregos anteriores, como vice-presidente da divisão Teradata, na NCR. A Teradata foi a pioneira de uma tecnologia conhecida como armazenagem maciça de dados, que permite que executivos obtenham um quadro coerente de dados de estoque, produção, marketing e vendas de toda uma companhia. A NCR estabeleceu essa divisão como companhia independente em outubro de 2007.

Com todas essas informações disponíveis de maneira fácil, funcionários de uma empresa podem vasculhar dados e perceber tendências que de outra maneira se manteriam ocultas. Tecnologia como essa ajuda empresas como a Wal-Mart Stores a determinar, por exemplo, quais são as cores de camisas favoritas entre os consumidores de Cincinnati, informa à rede de varejo de eletrônicos Best Buy quais seriam as melhores ofertas que pode fazer aos compradores na metade de março e sugere à cadeia de hotéis e cassinos Wynn Resorts que apostadores endinheirados ela deveria tentar seduzir.

Para Hurd, que aproveitou seu sucesso na Teradata para atingir o posto de presidente-executivo da NCR, a armazenagem maciça de dados é uma ferramenta vital para tornar uma empresa muito mais eficientes. Ele dispunha de algumas opções para resolver os problemas de informação que encontrou na HP: adquirir produtos da Teradata, adquirir o controle acionário da Teradata ou promover a criação de tecnologia própria de armazenagem maciça de dados na HP.

Assumindo um risco considerável, ele ficou com a terceira opção e encorajou os engenheiros da HP a combinar tecnologias criadas décadas atrás e herdadas quando a HP adquiriu a Compaq Computer e software de análise de dados desenvolvido na HP a fim de criar um produto chamado NeoView.

Hurd não aceitou um pedido de entrevista quanto à estratégia da HP para os sistemas de gestão de dados. Mas Randy Mott, o vice-presidente de informação da companhia, disse que "Mark avaliou que lhe faltavam as informações que considerava necessárias para dirigir a empresa com sucesso, da maneira que ele considerava necessário. Por isso, ele definiu que nós, como companhia, teríamos a tecnologia necessária a corrigir essa deficiência".

Depois de conduzir testes internos dos sistemas NeoView na própria HP, Hurd decidiu colocá-lo à venda para os clientes da empresa ¿ o que representa, na prática, uma declaração de guerra ao seu antigo empregador.

A HP tem presença minúscula no mercado de armazenamento maciço de dados, que é dominado por Teradata, IBM, Oracle e Microsoft, e conta também com a presença de diversas empresas de menor porte. Nos últimos 18 meses, a HP conseguiu vender o seu sistema de armazenagem de dados a apenas 30 clientes empresariais, de acordo com Donald Feinberg, um analista do grupo de tecnologia Gartner.

Alguns especialistas nesse campo de atuação afirmam que os sistemas da HP, baseados em tecnologia mais antiga e mais dispendiosa e não em componentes padronizados e baratos do setor, são obsoletos e caros demais. O custo de instalação inicial do NeoView pode superar os US$ 10 milhões, o que coloca a HP na ponta errada do mercado em uma tecnologia cujos preços vêm registrando queda.

Mas a HP tem a esperança de que sua recente aquisição da Electronic Data Systems (EDS), uma das gigantes do setor de serviço de dados, altere a equação. O alcance da EDS, adquirida por US$ 13,9 bilhões, poderia representar novo ímpeto para os serviços de consultoria de armazenagem de dados da HP. A empresa vem informando aos seus clientes empresariais que a tecnologia de armazenamento maciço de dados que ela desenvolveu, combinada a uma reformulação geral de seus processos de processamento de dados conduzida pela EDS, poderia resultar em grande economia.

A HP também está dando a entender que pretende transferir a plataforma NeoView para hardware mais barato e que poderia alugar espaço em suas centrais de processamento de dados para uso dos clientes, em lugar de tentar convencê-los a adquirir hardware. O modelo de locação complementaria uma prática na qual a EDS se especializou ao longo dos anos: a administração de centros de dados para um grande número de empresas.

Em meio às dificuldades econômicas atuais, argumenta a HP, as empresas mais do que nunca necessitam da "verdade". "O que estamos oferecendo não é um brinquedinho interessante para um analista de dados qualquer", disse Mott, que trabalha em Austin, Texas, onde duas das centrais de processamento de dados da HP estão localizadas. "Na verdade, é um setor que importa mais do que qualquer outra área".

De fato, a idéia de usar a tecnologia para atingir o nível lendário de eficiência operacional que caracteriza empresas como a Wal-Mart e a Dell é um atrativo real para muitas companhias. A Bon-Ton Stores, cadeia de varejo que adquiriu a tecnologia de armazenagem de dados da HP, oferece a cerca de mil de seus 32 mil funcionários acesso operacional a um bando de dados NeoView. A Bon-Ton recolhe informações de seus 13 mil caixas e alimenta um sistema central de armazenagem de dados com esses números. "Estamos usando as ferramentas para nos ajudar a compreender o uso mais eficiente de cada dólar gastos em toda a nossa companhia", disse Jim Lance, vice-presidente de informação da Bon-Ton.

O esforço da HP para avançar nesse mercado surge no momento em que outras empresas de tecnologia reconhecem também a crescente importância dos sistemas de armazenagem de dados. Oracle e IBM estão reformulando seus produtos relevantes, enquanto diversas empresas iniciantes estão oferecendo hardware mais barato e mais rápido orientado a tarefas especializadas. Os analistas consideram que a SAP deseja expandir seu alcance no mercado, possivelmente por meio de uma aquisição. A Microsoft também sinalizou sua intenção de levar esse tipo de tecnologia às massas, ao adquirir a Datallegro, uma empresa iniciante do setor, em julho.

A Teradata considera que a HP merece elogios por apresentar uma mensagem relevante em um momento relevante. "O que Mark e Randy estão fazendo é a coisa certa", disse Stephen Brobst, vice-presidente de tecnologia da Teradata.

Mas Brobst alega que a tecnologia da HP é dispendiosa demais e não foi testada em condições de uso. "Nós não vimos qualquer negócio grande deles nos últimos seis meses", afirmou.

A abordagem da HP quanto à armazenagem maciça de dados se baseia em uma tecnologia de banco de dados desenvolvida originalmente pela Tandem Computers, que a HP adquiriu quando de sua fusão com a Compaq, em 2002. A tecnologia da Tandem, conhecida como NonStop, tem posição elevada no folclore da computação e opera alguns dos sistemas de computação mais confiáveis já produzidos, entre os quais os de diversas das maiores bolsas de valores mundiais.

Mas o NonStop jamais havia sido utilizado em aplicações de armazenagem maciça de dados, quando a HP decidiu entrar nesse segmento. Para provar que ele funcionaria, as centrais de dados da empresa se tornaram cobaias. Depois de trabalhar no projeto por meses, a HP montou um banco de dados unificado ao qual 30 mil funcionários podiam recorrer para obter informações instantâneas sobre todos os aspectos dos negócios da empresa. Agora, a HP está utilizando a experiência adquirida na conversão de suas operações como instrumento de vendas a terceiros.

Mas a estratégia de armazenagem maciça de dados da HP depende tanto de personalidades quanto de tecnologia. Hurd contratou Mott, que estava na Dell, poucos meses depois de chegar à HP. Mott é visto como o mestre da tecnologia de armazenagem maciça de dados e cuidou do estabelecimento de sistemas Teradata na Wal-Mart e Dell, empresas das quais foi vice-presidente de informações.

E em novembro, a HP selecionou uma antiga executiva da Teradata, Kristina Robinson, para comandar uma nova unidade de Soluções para Informações de Negócios. Ela chegou à empresa na metade de 2006 e era vice-presidente em uma das divisões de impressoras do grupo.

Caberá a Robinson vender essa dispendiosa tecnologia em meio a um dos mais difíceis períodos econômicos da história recente, e desenvolver o novo negócio.

Para vencer vinda de trás, nesse mercado, a HP vem recorrendo a uma estratégia dura de vendas, e diz aos clientes que eles podem continuar na bagunça em que estão ou se inspirar com a reformulação da própria HP para melhorar. "Para mim, isso vai diferenciar vencedores de derrotados", disse Mott.

Locaweb desiste de abrir capital na Bovespa

A Locaweb decidiu abandonar completamente o projeto de ir à bolsa, com a decisão de pedir o cancelamento de seu registro de companhia aberta.

A empresa, de hospedagem de sites e prestação de serviços de tecnologia, informou nesta terça-feira que os acionistas aprovaram em assembléia a proposta de cancelar o registro de empresa aberta. O conselho já havia aprovado a decisão no dia 15 de dezembro.

A Locaweb já havia postergado uma oferta pública de ações.

A decisão é mais um reflexo do desaquecimento do mercado acionário. Depois das 64 estréias na bolsa em 2007, o número despencou para quatro em 2008, com muitas desistências e adiamentos ao longo do ano.

A Locaweb se tornou uma sociedade anônima em setembro de 2007, iniciando o processo de reorganização que ela pretendia finalizar com a oferta pública de ações ao mercado.

Ela reuniu as três empresas que compunham o grupo na Locaweb Serviços de Internet e pretendia iniciar a venda de papéis entre janeiro e fevereiro deste ano, mas, diante da volatilidade do mercado, adiou a decisão por tempo indeterminado.

Em setembro, em entrevista à Reuters, a empresa ainda mantinha planos de manter o registro de companhia aberta para poder ser ágil na oferta de ações assim que o mercado se recuperasse, segundo informou o diretor de relações com investidores, Celso Nunes.

Fundada em 1998, a companhia teve uma receita bruta de 74,5 milhões de reais em 2007, com margem Ebitda de 40,9 por cento, segundo dados informados pela empresa.

  • FINANCIAMENTO E DIVIDENDOS

A reunião de conselho da Locaweb também aprovou a captação de um financiamento de 12 milhões de reais para viabilizar projetos de expansão de capacidade e das instalações da empresa.

Os conselheiros ainda aprovaram a distribuição de 933,4 mil reais em juros sobre capital próprio, que serão pagos em abril de 2009.

Indústria de celulares incorpora Ginga em janeiro de 2010

Portaria Interministerial 237, publicada nesta terça-feira (30/12), no Diário Oficial da União, altera as normas dos Processos Produtivos Básicos (PPBs) definidos para fabricação de celulares no Brasil. E no Artigo 4° o governo exige dos fabricantes, que a partir de 1° de janeiro de 2010, pelo menos 5% da produção nacional dos equipamentos, que recebem incentivos fiscais da Lei de Informática ou do Pólo Industrial de Manaus deverão conter o middleware GINGA-NCL.

Além desta novidade, a portaria, assinada em conjunto pelos Ministérios da Ciência e Tecnologia e Indústria e Comércio Exterior também define os percentuais de produção de conversores de corrente contínua (CA-CC), ou carregadores de baterias, quando acompanharem o telefone celular que opera em tecnologia digital combinada ou não com outras tecnologias.

Nos últimos anos, o governo sempre estabeleceu em 15% a diferença residual de não cumprimento das etapas de produção dos equipamentos para celulares, o que significava que essa meta podia ficar para ser fabricada no ano seguinte, acumulando com os percentuais de produção daquele ano.

Excepcionalmente em 2008, o governo decidiu que "a diferença residual poderá ser de até 20%; desde que a empresa cumpra a diferença residual em relação ao percentual mínimo estabelecido, em unidades produzidas, até 31 de dezembro de 2009, sem prejuízo das obrigações correntes, nos anos-calendário respectivos".

Aparentemente tal decisão pode significar que o governo já prevê a possibilidade de um atraso na produção dos aparelhos celulares, com a entrada da tecnologia de recepção de TV Digital, por conta de eventuais conflitos que possam ocorrer na instalação do middleware brasileiro GINGA-NCL.

A portaria completa você encontra no Blog Capital Digital (www.capitaldigital.blog.br/?p=1595).

Celulares inteligentes têm grande ano em 2008

G1 foi primeiro celular com a plataforma Android, do Google, a chegar ao mercado

G1 foi primeiro celular com a plataforma Android, do Google, a chegar ao mercado

Não há dúvida que de 2008 foi o ano dos celulares inteligentes, ou smartphones. Nos últimos 12 meses chegaram ao mercado aparelhos que se tornaram verdadeiros ícones, como o iPhone 3G, o Google G1, o BlackBerry Storm e o Nokia N97.

Também foi o ano do surgimento dos "ecossistemas eletrônicos", para tirar maior proveito destes equipamentos, segundo a BBC.

Mas nem tudo são flores para os smartphones. A popularidade também colocou em evidência vários problemas que deverão ser enfrentados em 2009.

  • O lado bom

"Foi um ano mais ou menos bom", destaca Andrew Bud, chefe da empresa Mblox e diretor do Fórum de Entretenimento Móvel. Na opinião dele, um dos pontos positivos foi o efeito dos celulares inteligentes sobre o mercado da telefonia móvel.

Para Bud, muitos usaram os aparelhos para acessar sites de rede social como Facebook, MySpace e Beebo. "Também vimos surgir aplicativos como uma nova categoria de conteúdo", acrescenta.

Dados da Apple apontam que, entre julho e setembro deste ano, mais de 100 milhões de aplicativos foram baixados de sua loja App Store.

Para o analista Steven Hartley, da empresa especializada Ovum, a popularidade do telefone inteligente é um sinal de que certas tecnologias estão ficando maduras. "A 3G começou a cumprir suas promessas, é algo de que já se fala há um tempo", afirmou.

  • O lado ruim

Entretanto, alguns analistas crêem que 2009 não será tão bem-sucedido. Por um lado, segundo a empresa CCS Insight, as vendas de celulares vão se reduzir. "Será a primeira vez que o mercado vai se contrair desde 2001", destaca o relatório de final de ano da CCS.

A causa seria a crise econômica mundial. De acordo com o relatório, a única coisa que poderia reverter esta tendência é o comportamento dos mercados em países como Índia e China, ou regiões como a África subsaariana, onde ainda há uma baixa penetração desta tecnologia.

Mas, de acordo com o especialista da Ovum, conseguir uma base mais ampla de clientes em alguns mercados é uma faca de dois gumes.

"Quanto mais gente houver, mais baixará a pirâmide do valor, ou seja, você tem mais assinantes mas estes não geram muitos lucros", explicou.

A chave é incrementar o número de pessoas que paga pelo tráfego de dados, mas isto aumentará a pressão sobre a infra-estrutura, assinala o analista. E a situação econômica global pode dificultar a obtenção de capital necessário para absorver um crescimento significativo, disse Hartley.

Site promete encontrar par perfeito para gordinhos

Para os fundadores do site, quilinhos a mais não devem ser obstáculo à busca do par perfeito
Para os fundadores do site, quilinhos a mais não devem ser obstáculo à busca do par perfeito

Um site na Índia promete encontrar romances de tamanho reforçado para homens e mulheres obesos, com a justificativa de que pessoas gordinhas muitas vezes enfrentam dificuldade para encontrar parceiros.

A obesidade, no passado considerada fenômeno essencialmente ocidental, está rapidamente se tornando um problema sério de saúde nos países em rápido desenvolvimento como a Índia e a China, onde a prosperidade vem alterando estilos de vida.

Mas os fundadores do site www.overweightshaadi.com afirmam que uns quilinhos a mais não deveriam servir de obstáculo à busca do par perfeito.

"Não creio que seja certo perder peso simplesmente para conseguir casar", disse Aditi Gupta, fundador do site criado em outubro.

Gupta e a irmã, Megha Singhal, decidiram criar o serviço depois de verem seus primos e amigos sofrendo pressão para que perdessem peso.

A mídia indiana e Bollywood têm sido constantemente criticados por promoverem a idéia de que o porte esbelto e magro é o ideal de beleza.

AMD eleva total de demissões e faz nova provisão para ATI

A fabricante norte-americana de chips Advanced Micro Devices anunciou na segunda-feira que demitiu 600 funcionários, 100 a mais do que havia anunciado inicialmente, e que estava realizando nova provisão quanto à sua aquisição da ATI Technologies por 5,4 bilhões de dólares.

A AMD anunciou que havia cortado 600 funcionários em seu mais recente trimestre, ante os 500 originalmente planejados. Como resultado, a empresa espera agora registrar um recorde de 70 milhões de dólares em provisões de reestruturação, ante os 50 milhões de dólares originalmente previstos.

Além disso, as novas reduções de custos poderão resultar em mais provisões no primeiro semestre de 2009, ainda que a AMD tenha declarado que não fornecerá uma estimativa.

A empresa também anunciou que teria de realizar provisão para depreciação de ativos intangíveis relacionada à sua aquisição da produtora de chips gráficos ATI, em 2006. A AMD informou que sua decisão "se baseia em resultados de uma projeção financeira de longo prazo atualizada" para a divisão, de acordo com documentos apresentados às autoridades financeiras dos Estados Unidos.

Veto a fotos de amamentação no Facebook causa protestos

A rede social Facebook deflagrou um imenso debate online - acompanhado de protestos - depois de remover fotos que expunham em demasia o seio de uma mulher amamentando.

Barry Schnitt, porta-voz do Facebook, disse que o site em geral não toma nenhuma atitude com relação a fotos de amamentação, desde que elas respeitem seus termos de uso, mas informou que algumas são removidas para garantir que o site continue apropriado para todos os usuários, incluindo crianças.

"Fotos que contenham um seio completamente exposto (ou seja, envolvam exibição de mamilo ou auréola) constituem violações desses termos (quanto a material obsceno, pornográfico ou sexualmente explícito) e podem ser removidas", informou em comunicado.

"As fotos com relação às quais agimos chegam a nosso conhecimento quase exclusivamente por reclamações de outros usuários", o comunicado acrescentou.

Mas a decisão do Facebook de remover algumas fotos de amamentação irritou alguns usuários, entre os quais a norte-americana Kelli Roman, mãe que teve uma foto que a mostrava alimentando a filha removida pelo Facebook.

Roman é uma das administradoras de uma petição online intitulada "Ei, Facebook, amamentar não é obsceno", que ganhou força na semana passada depois que as manifestantes organizaram uma "amamentação de protesto" no Facebook e realizaram uma pequena manifestação diante da sede da empresa, em Palo Alto, Califórnia.

A petição já obteve mais de 80 mil assinaturas e mais de 10 mil comentários, e voltou a despertar um velho debate sobre os prós e contras da amamentação em locais públicos.

Os organizadores da petição informaram que algumas mulheres foram instruídas a não postar de novo as fotos removidas de suas páginas ou correriam o risco de ser excluídas da rede social.

O Facebook, que tem 120 milhões de membros, se mantém firme em sua decisão.

Schnitt disse que a empresa tentou colocar um anúncio em diversas publicações norte-americanas que mostrava uma mulher com o seio completamente exposto amamentando um bebê. Nenhuma delas aceitou.

"Um jornal e o Facebook são obviamente diferentes, mas o motivo subjacente para as normas de conteúdo é o mesmo", disse à Reuters.

lu-ray: marcas renomadas enfrentam chineses com preço baixo

Isso só é possível no mundo louco de hoje: fabricantes chineses que planejavam roubar a fatia de mercado de Blu-ray de marcas renomadas vendendo players por menos de US$ 200 estão sendo massacrados por empresas como Sony e Samsung, que estão vendendo seus tocadores a esse preço.

Apesar do Stan Glasgow da Sony ter expressado sua firme intenção de não vender players de Blu-ray por menos de US$ 299, é fácil encontrar nos Estados Unidos o modelo BDP-S350 por US$ 250 ou até por menos.

Nos dias próximos à Sexta-Feira Negra - dia seguinte ao feriado de Ação de Graças que lota o comércio americano com promoções e descontos - havia um monte de players das marcas renomadas na faixa dos US$ 200.

E US$ 199 é exatamente o preço que os fabricantes chineses queriam jogar no mercado, visto o papo irredutível da Sony e de outras marcas sobre manter os preços a US$ 300, ou US$ 250 no pior dos casos.

Em vez disto, os varejistas estão estrategicamente enchendo a bola desses players superbaratos das marcas que você de fato já tenha ouvido falar. Assim, os chineses, aqueles propulsores do livre mercado e praticantes de dumping com classe, estão prestes a provar do seu próprio veneno, sacaneados pelas mesmas pessoas que normalmente eles sacaneiam.

Registros médicos entram na era digital

O Dr. Theodore Praxel, diretor da clínica Marshfield, mostra um registro médico digital
O Dr. Theodore Praxel, diretor da clínica Marshfield, mostra um registro médico digital

Joseph Calderaro, 67, faz parte das histórias de sucesso silenciosas do sistema de saúde. Nos últimos quatro anos, ele conseguiu diminuir o açúcar no sangue, a pressão sangüínea e o colesterol com dieta, exercício e medicamento.

Para acompanhamento, Calderaro visita seu médico, freqüenta reuniões de pacientes com diabetes e sempre recebe ligações de um consultor de saúde. É um esforço de equipe, orquestrado pela clínica Marshfield. E revigorado pela tecnologia, começando pelo registro de paciente computadorizado de Calderaro - um documento continuamente atualizado que inclui seu histórico médico, remédios, testes de laboratório, orientações de tratamento e observações de médicos e enfermeiras.

Visitar a clínica Marshfield, há tempos inovando na tecnologia da informação para saúde, é ter um vislumbre do futuro da medicina digital. Na área das políticas de assistência médica nacionais existe amplo consenso de que transferir os registros de pacientes do papel para o computador, da forma que Marshfield e alguns outros sistemas de saúde já fazem, é essencial para melhorar a qualidade do atendimento e conter custos.

O registro no papel é um documento passivo e histórico. Já o registro médico eletrônico pode ser uma ferramenta vibrante que lembra e assessora médicos. Ele pode manter informações sobre consultas, tratamentos e condições, retornando anos, e até mesmo décadas. Pode ser acionado com um clique, ao invés de permanecer escondido num arquivo em algum lugar remoto, portanto inútil durante emergências médicas.

Os modernos sistemas computadorizados possuem links para informação online a respeito das melhores práticas, tratamentos, recomendações e de combinações nocivas de drogas. Os benefícios potenciais incluem menos testes desnecessários, redução de erros médicos, e melhores cuidados para que os pacientes necessitem menos de custosos tratamentos hospitalares.

A ampla adoção de registros médicos eletrônicos também pode fornecer mais evidências para a pesquisa médica. Cada registro de paciente é adicionado em tempo real a um banco de dados em constante crescimento de evidências sobre o que funciona ou não. O objetivo é aproveitar a informação da saúde de indivíduos e populações, compartilhá-la em redes, peneirá-la e analisá-la para tornar a prática da medicina mais uma ciência e menos uma perícia.

O governo Bush deixou a medicina digital principalmente nas mãos de grupos de interesse e do setor privado. Mas o presidente-eleito Barack Obama aparentemente planeja assumir um compromisso considerável quanto ao assunto. Durante a campanha, Obama prometeu gastar US$ 50 bilhões em cinco anos para disseminar a adoção dos registros médicos eletrônicos. E disse recentemente que um programa de governo para acelerar seu uso faria parte do pacote de estímulo econômico.

A clínica Marshfield, um grande grupo médico em Wisconsin, mostra que os registros médicos podem de fato melhorar a qualidade e eficiência da medicina. Porém, a experiência da clínica sugere que o registro se torna realmente útil apenas quando a informação do paciente é agregada e explorada para encontrar padrões e responder perguntas: quais tratamentos funcionam melhor para cada categoria particular de pacientes? Quais práticas médicas ou procedimentos cirúrgicos geram o melhor resultado?

A clínica Marshfield "entende que um sistema de melhorias possibilitadas pela tecnologia é o que realmente importa, e o registro médico eletrônico não é em si uma solução milagrosa," disse a doutora Carolyn M. Clancy, diretora da Agência Federal para Pesquisa e Qualidade na Saúde. "A armadilha para as políticas é pensar que instalar computadores e softwares nos consultórios vai, por si só, transformar o sistema de saúde."

Para o futuro presidente e seu governo, o desafio será ligar de alguma forma essas ilhas médicas eletrônicas a uma rede de informação que comece a realizar em escala nacional o que organizações médicas como Marshfield já alcançaram regionalmente. Então, idealmente, um médico solitário de uma comunidade rural poderia se conectar à rede de informações de saúde nacional e ficar tão bem informado a respeito de tratamentos e pesquisas para pacientes com certas condições quanto um especialista em Marshfield.

Alguns especialistas alertam que uma capacidade tão ampla de compartilhamento de registros poderia levar décadas para ser alcançada - se isso for mesmo possível no descentralizado e competitivo mercado médico americano.

A clínica Marshfield, uma organização sem fins lucrativos fundada em 1916, tem uma longa história no uso de tecnologia da informação para promoção de pesquisas e melhorias de tratamento. Nos anos 1960, a clínica comprou a revolução digital da época - um computador central - e usava cartões perfurados para alimentá-la com informações sobre diagnósticos e procedimentos. Em 1985, a clínica introduziu seu primeiro registro médico eletrônico básico, que foi refinado e, em 1994, tornado obrigatório para todos os seus médicos. Em 2003, a clínica introduziu pranchetas eletrônicas sem fio, cuja tela podia ser usada como um papel digital, ou como um laptop convencional com auxílio de um teclado.

Hoje, todos os seus 790 médicos e equipes de apoio espalhados em 43 localidades de Wisconsin utilizam a prancheta digital. No final do ano passado, o grupo eliminou os prontuários de papel para os mais de 365 mil pacientes atendidos todos os anos, liberando um espaço de armazenamento do tamanho de um campo de futebol americano na clínica principal em Marshfield. Em cada passo rumo ao sistema completamente digital, os médicos foram consultados e envolvidos no processo.

"Foi uma jornada fabulosa, com médicos antes relutantes e que agora não conseguem viver sem essa tecnologia," observou o doutor Karl J. Ulrich, chefe-executivo da clínica.

Mashfield é um entre dezenas de grupos médicos do país que está abraçando agressivamente a tecnologia da informação. As organizações tendem a ser grandes - de instituições com milhares de médicos, como Kaiser Permanente e Department of Veterans Affairs, a outras com apenas centenas, como Mashfield e Geisinger Health Systems, no centro da Pensilvânia. Elas normalmente são responsáveis por todos os aspectos dos cuidados com o paciente. E geralmente também são companhias de seguro.

Lâmina flexível mostra o futuro da iluminação

A lâmina flexível pode ser colada à parede, enrolada em uma coluna e, na versão transparente, colocada em janelas
A lâmina flexível pode ser colada à parede, enrolada em uma coluna e, na versão transparente, colocada em janelas

À beira do rio Mohawk, um edifício esconde algo que poderia tornar obsoletas as luminárias, lampiões e quase todas as outras lâmpadas domésticas. É uma máquina que imprime luzes.

Do tamanho de um caminhão-reboque, a máquina cobre uma lâmina plástica de 20 cm de largura com substâncias químicas e em seguida uma fina capa de metal. Aplique eletricidade à lâmina resultante, e ela se acende com um resplendor branco-azulado.

Essa lâmina pode ser colocada na parede, enrolada ao redor de uma coluna ou, em sua versão transparente, colada na janela. Diferentemente de quase todas as outras fontes artificiais de luz, não é necessário usar lâmpadas para estas lâminas.

Elas devem sua luminescência a complexos conhecidos como diodos orgânicos emissores de luz, os OLEDs. E ainda que existam problemas com a tecnologia, não se trata apenas do sonho de um empresário inexperiente.

Os OLEDs estão sendo usados em televisões e telefones celulares, e grandes companhias como Siemens e Philips estão dando seu apoio à nova tecnologia. A impressora de OLED foi fabricada pela General Electric em suas instalações no norte de Nova York. Não muito longe dali, um físico da GE descobriu a forma prática de usar tungstênio como filamento para os bulbos de luz - e o sistema segue em uso quase um século depois.

A invenção do bulbo incandescente criou um padrão na iluminação doméstica: nossas fontes de luz são, em sua maioria, pequenas e brilhantes. Como são demasiado brilhantes para serem olhadas, precisam ser refletidas e amenizadas com pantalhas e cristal opaco. Os OLEDs poderiam mudar radicalmente tudo isso. As grandes lâminas luminescentes podem ser ainda fontes de luz em todo tipo de objetos.

A GE imagina colocar OLED na parte interna das persianas - assim, teríamos luz proveniente das janelas mesmo à noite. E, como o material da lâmina é flexível, é possível usá-las até como papel de parede. "Temos muitas idéias sobre o que se pode fazer com isso", diz o designer de iluminação alemão Ingo Maurer.

Ele e sua empresa criaram a primeira lâmpada OLED à venda, uma edição limitada de 25. Maurer espera entregar as duas primeiras este ano. Ele não revela o preço - mas é, seguramente, bem alto. A lâmpada em questão é mais uma curiosidade do que um objeto prático: a luz que emite é tênue e enfraquece gradualmente, perdendo a metade de sua luminescência ao longo de 2 mil horas de uso. Seus painéis de OLED são menores e feitos de cristal em vez de plástico. Saem de uma rama central como as folhas de uma samambaia.

Os painéis da lâmpada de Maurer estão sendo produzidos pela Osram Opto Semiconductors, uma subsidiária da alemã Siemens AG, que é a companhia matriz da Osram Sylvania, rival da GE no mercado de luzes. A Osram Opto usa um processo lento e caro conhecido como deposição em vazio, que dominou o desenvolvimento dos OLED até agora. Uma virtude deste método é que pode ser combinado com as tecnologias que produzem as telas LCD para criar TVs com OLED. A Sony vende um modelo de 28 cm por US$ 2,5 mil.

As TVs com OLED devem ficar muito mais baratas para poderem ser viáveis comercialmente, e as luzes de OLED têm que ficar bem mais baratas. Esse é o assunto que a GE quer abordar com sua impressora, que em vez da deposição em vazio usa um processo não muito mais complicado que a impressão de um jornal. "Tratamos para que seja o menos complicado possível", disse Anil Duggal, chefe da equipe de estudos de OLED da GE.

No futuro, o processo de impressão poderá reduzir o custo dos OLEds a pouco mais que o custo do material em que estão impressos, diz Janice Mahon, vice-presidente de comercialização tecnológica da Universal Display. A companhia de Ewing, Nova Jersey (EUA) lidera o estudo de OLED e desenvolve alguns dos compostos orgânicos, similares às tintas usadas para colorir telas. Se impressa em papel de metal, o custo de uma luz de OLED poderia ser de menos de um dólar por pé quadrado (929 centímetros quadrados), explica Mahon.

Muitos dizem que, graças a sua eficiência, haverá um incremento firme, ainda que gradual, no uso de OLED na iluminação. Mas outros, como Bob Sagebiel, especialista em merccado para a Arrow Electronics, são menos otimistas. Como os OLED são tão diferentes da tecnologia atual, sua aceitação no mercado poderá ser difícil, pensa Sagebiel. Além disso, ainda restam questões a resolver, principalmente fazer com que os OLED durem mais. Os modelos atuais se gastam muito rapidamente com o uso, e a exposição ao oxigênio os deteriora.

Crise faz ataques na web crescerem 35% em 4 meses

Uma pesquisa da X-Force, equipe da IBM especializada em segurança, constatou um aumento no número de ataques à internet nos últimos quatro meses em função da desaceleração da economia mundial.

A empresa informou nesta segunda-feira que dados coletados junto à base de 4 mil clientes de serviços de segurança da companhia em todo o mundo mostram que os ataques passaram de 1,8 bilhão ao dia para mais de 2,5 bilhões por dia em escala global.

Na avaliação da IBM, o aumento é um reflexo da redução dos investimentos das empresas em segurança, situação que tem sido aproveitada pelos hackers.

Cientistas alemães apresentam 'hotel do futuro'



O quarto não possui linhas retas, pois pesquisas indicam que formas arredondadas são as melhores para fazer as pessoas relaxarem
O quarto não possui linhas retas, pois pesquisas indicam que formas arredondadas são as melhores para fazer as pessoas relaxarem

O quarto não possui linhas retas. Segundo o cientista que trabalha no projeto, Nikolay Dreharov, pesquisas indicam que formas arredondadas são as melhores para fazer as pessoas relaxarem.

Outras atrações do quarto incluem uma cama, que balança lentamente e é ativada pela voz por um computador central, e a janela que, com um estalar de dedos, se transforma em uma tela de vídeo.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Site mostra 10 áreas de trabalho mais populares

O site LifeHacker elegeu os temas para área de trabalho mais populares de 2008, escolhidos entre as criações enviadas por seus leitores ao longo do ano. As telas customizadas vão desde temas minimalistas até transformações mais detalhadas.

Um dos temas que mais chama a atenção é o Mac Meets Windows, do internauta Dylan Boom, que promove uma transição entre dois sistemas operacionais concorrentes, o Mac OS X e o Windows XP, customizando o estilo de ambos para formar uma fusão.

Já o designer Vijayakrishnan enviou para o LifeHacker uma área de trabalho com duas faces, que segue o estilo do Mac, mas é usada em Windows.

Os ícones da área de trabalho são uma preocupação constante entre os criadores que apresentaram seus temas. Alinhando os ícones para que eles se harmonizem com o desenho na tela, integrando-os a uma ilustração ou até mesmo suprimindo todos eles do desktop, alguns designers deram atenção especial a esses elementos.

Enquantos menus transparentes de um tema para Windows Vista valorizam as cores da flor no plano de fundo, o usuário skarhead187 dispensou a cor em sua criação em preto e branco.

Para quem ficar com vontade de fazer seu próprio tema para desktop, o site conta até com passo-a-passo. O leitor Kaelri, por exemplo, explica como fazer para obter um efeito semelhante ao de duas áreas de trabalho criadas por ele - Enigma e Lightning at Sunset.

O artigo original, com mais detalhes sobre os desktops, pode ser lido (em inglês) pelo atalho http://tiny.cc/29izN.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Preços na internet podem variar em até 233%, diz site BuscaPé

Os preços de produtos vendidos na internet chegam a ter variação de até 233%, segundo o levantamento Ranking BuscaPé.

Neste Natal, o que os usuários mais procuram é o celular Nokia 5610 GSM desbloqueado, de acordo com a pesquisa realizada entre os meses de novembro e dezembro. A variação de preço do aparelho vai de 745,59 reais a 1.049 reais.

O produto que apresentou maior variação, de 233%, foi o título em DVD "Mulheres Perfeitas", cuja variação ficou entre 12 reais e 42 reais. A categoria de produtos eletrônicos que apresenta maior variação de valores é a de câmeras digitais, cuja diferença de preço passa entre 106% e 112%, chegando a somar 465 reais.

O iPod Shuffle, da Apple, é o produto com a menor variação de valor, com 15%. Além disso, é o segundo no ranking dos mais procurados, antes do PlayStation 2 Slim, cuja variação chega a 72%, somando diferença de até 312,50 reais.n

Alemães usam celular para acender luz de poste de rua

A medida gerou uma economia de 25% nos gastos anuais de energia elétrica da cidade
A medida gerou uma economia de 25% nos gastos anuais de energia elétrica da cidade

A cidade de Dörentrup, na Alemanha, encontrou uma forma criativa para reduzir os gastos com energia elétrica: resolveu apagar todas as luzes de postes de rua às 21h.

Porém, diferentemente da Grã-Bretanha, onde a iniciativa gerou reclamações de inúmeros moradores que se encontraram no escuro, os moradores da vila alemã elogiaram a medida.

Isso porque eles podem acender as luzes que precisam no momento que quiserem com um simples telefonema.

Os moradores precisam apenas registrar os telefones celulares em um banco de dados da administração regional e depois ligar para um número central e digitar o código referente ao poste de luz que querem ver aceso.

A ligação é transmitida para um modem, que aciona um botão que liga a luz.

A medida gerou uma economia de 25% nos gastos anuais de energia elétrica da cidade.

Biblioteca digital européia volta ao ar depois de pane

A Europeana dá acesso em vários idiomas a 2 milhões de livros digitalizados e outros itens culturais e de importância histórica
A Europeana dá acesso em vários idiomas a 2 milhões de livros digitalizados e outros itens culturais e de importância histórica

A primeira grande biblioteca digital da União Européia, Europeana (www.europeana.eu), está funcionando novamente nesta terça-feira, um mês depois de sair do ar sobrecarregada pela forte procura dos leitores.

"A Europeana está funcionando novamente... após nós termos quadruplicado a capacidade do servidor", afirmou o porta-voz da Comissão Européia Martin Selmayr.

A Europeana dá acesso em vários idiomas a 2 milhões de livros digitalizados e outros itens culturais e de importância histórica armazenados por mais de mil instituições nos 27 países da UE.

Logo após o seu lançamento em 20 de novembro o site entrou em pane, com os servidores sobrecarregados por um volume de 10 milhões de acessos por hora.

Rede social "do sofá" causa choque cultural em desavisados

A idéia pode ser ótima para fazer turismo com o mais baixo orçamento possível, mas alguns asiáticos descobriram que a prática do "couchsurfing", ou hospedagem na casa de desconhecidos, pode ser uma experiência culturalmente complicada, especialmente na hora de retribuir.

A recente desaceleração econômica estimulou o couchsurfing (www.couchsurfing.com), uma rede social mundial online de contatos que permite que os integrantes peçam hospedagem nas casas de colegas da rede e aprendam um pouco sobre as culturas dos locais que visitam, enquanto ensinam aos anfitriões sobre sua cultura.

Mas para alguns asiáticos de famílias tradicionais, a experiência às vezes pode ser desconfortável, e nem sempre é fácil retribuir convidando desconhecidos. Juana Jumat, uma muçulmana de Cingapura, teve um café da manhã sem igual em suas recentes férias na Alemanha.

"Meu anfitrião me serviu o desjejum às 8h30 com cerveja; eu disse a ele que não podia beber, mas sua mãe respondeu que todo mundo precisa beber nos alpes da Baviera", contou Jumat sobre uma recente experiência de couchsurfing. E quando chegou sua vez de hospedar alguém, ela primeiro precisou convencer sua mãe conservadora sobre as vantagens.

"Minha mãe inicialmente não achava certo que eu hospedasse pessoas que eu nem conhecia - como é que eu podia convidá-las para vir à nossa casa?", contou Jumat, que conseguiu convencer a mãe e já hospedou 50 visitantes, a maioria vindos da Alemanha e da Austrália.

O couchsurfing começou em 1999. Casey Fenton, o norte-americano que criou a idéia, enviou um e-mail spam a mais de 1,5 mil estudantes em busca de um lugar para ficar depois que comprou uma passagem de avião barata para a Islândia. Depois da viagem, ele decidiu que nunca mais pagaria por hospedagem. Hoje, a organização conta com 835 mil membros.

"Nós acreditamos que o couchsurfing vá se beneficiar do ambiente econômico desfavorável", diz Daniel Hofer, co-fundador da rede.

Unisys corta 1.300 empregos

A companhia de serviços de tecnologia da informação Unisys vai cortar 1.300 empregos, ou mais de 4 por cento de sua força de trabalho, e suspendeu contribuições a fundo de pensão de funcionários para eliminar 225 milhões de dólares em custos.

Além disso, a companhia vai congelar aumento de salários na maior parte dos mercados em que opera no próximo ano.

Um porta-voz da empresa informou que os cortes de vagas acontecem no mundo. Ele não deu detalhes. As reduções já começaram e vão continuar durante 2009.

O ano de 2008 tem sido brutal para a companhia, cujas ações despencaram cerca de 88 por cento. No mês passado, a Standard & Poor''s removeu a companhia do índice S&P 500.

Transição para TV digital gera confusão nos EUA

Milhares de dólares estão sendo gastos em campanhas de esclarecimento
Milhares de dólares estão sendo gastos em campanhas de esclarecimento

A Comissão Federal de Comunicações (FCC) dos Estados Unidos patrocinou uma prova de automobilismo da categoria Nascar como parte de seus esforços para informar aos telespectadores norte-americanos de que, a partir de 18 de fevereiro, todos os sinais de televisão transmitidos pelo ar no país serão exclusivamente digitais. Os televisores de modelos antigos não funcionarão mais.

A organização gastou US$ 350 mil para inscrever o lema "a transição para a TV digital" e outras mensagens no Ford pilotado por David Gilliland.

E como é que o processo está transcorrendo? Em novembro, o carro de Gilliland se envolveu em uma colisão em uma prova da Nascar em Phoenix - a segunda batida do piloto em apenas dois meses.

E, no front da transição para a TV digital em si, a situação não parece muito melhor, ao menos de acordo com os muitos críticos da maneira pela qual a conversão se desenvolveu, apesar de uma campanha de marketing intensa que incluía comercias de televisão veiculados a cada noite.

De acordo com pesquisas conduzidas pela União de Defesa dos Consumidores, a organização que publica a revista Consumer Reports, embora 90% dos norte-americanos estejam cientes de que a transição vai acontecer, 25% dos entrevistados acreditam, erroneamente, que precisarão assinar serviços de TV a cabo ou via satélite, depois de fevereiro, e 41% deles acreditam que cada um dos televisores da casa precise ser convertido individualmente para recepção de sinais de digitais, mesmo os aparelhos que já recebem sinais de TV a cabo ou serviços de assinatura via satélite.

"Precisamos de um trabalho de divulgação mais personalizado, mais próximo aos telespectadores", disse Joel Kelsey, analista político da União de Defesa dos Consumidores. Ele defende a idéia de que sejam utilizados os serviços de um exército de profissionais, por exemplo bombeiros e trabalhadores do setor de televisão, para visitar as casas dos telespectadores e instalar conversores em seus aparelhos.

E algumas das pessoas que estão envolvidas no processo de transição para o serviço digital de TV acreditam que, em 17 de fevereiro, a data de conversão, milhões de norte-americanos serão apanhados de surpresa quando seus televisores deixarem de funcionar.

Mais de 20 milhões de domicílios nos Estados Unidos recebem programação de televisão por meio de transmissões convencionais, captadas por antenas, e pelo menos 15 milhões de domicílios adicionais abrigam ao menos um televisor desprovido de conexão de cabo ou via satélite, de acordo com a Associação Nacional da Mídia Eletrônica.

Qualquer pessoa que receba sinais de TV por antena convencional - seja uma antena montada no aparelho ou uma antena externa - precisa comprar um conversor que transformará sinais analógicos em sinais digitais, se desejar continuar assistindo TV. Algumas pessoas também podem precisar de novas antenas.

O telespectador também pode optar por assinar um serviço de TV a cabo ou via satélite, ou por adquirir um novo televisor digital. Mas o que os críticos do processo temem é que os norte-americanos menos capazes de compreender ou de bancar os custos da transição - a saber, os idosos, os pobres e os consumidores que não falam inglês - sejam os mais prejudicados.

Para ajudar a reduzir as despesas envolvidas na aquisição dos conversores, cujos modelos mais simples custam a partir de US$ 50, os consumidores podem obter dois cupons de desconto do governo que reduzem em até US$ 40 o custo do aparelho.

Cerca de 40 milhões de cupons de subsídio foram solicitados até o momento, mas apenas 16 milhões deles foram utilizados, ante um total estimado em 35 milhões de televisores que deixarão de poder receber sinais quando a transição for realizada. Um fator que agrava o problema é que muitas pessoas que solicitaram cupons no começo do ano passado mas não os utilizaram vieram a descobrir que eles perdem a validade em 90 dias. E quem já solicitou um cupom e não o utilizou não está autorizado a fazer nova solicitação (ainda que seja possível utilizar cupons alheios, porque não existe controle sobre o nome dos compradores de conversores).

"A transição que estamos vivendo é provavelmente um dos programas de educação ao consumidor mais mal conduzidos na era moderna", disse Richard Doherty, analista do Envisioneering Group, uma empresa de consultoria.

Embora o governo e o setor privado tenham investido quantias consideráveis na divulgação da mensagem quanto à transição, o problema é que os esforços, além de serem vistos como insuficientes, também começaram com grande atraso.

"Em 18 de fevereiro, haverá muita, muita reclamação", disse Doherty.

Com o prazo perto do fim, o governo agora está insistindo em que os norte-americanos solicitem seus cupons até o final do ano, operando sob a suposição de que eles precisarão de cerca de seis semanas para receber os cupons, adquirir o conversor e alterar a configuração de suas antenas de maneira a permitir a recepção de sinais digitais.

A Associação Nacional da Mídia Eletrônica criou uma campanha que envolve dois caminhões de divulgação que percorrem o país, visitando áreas nas quais se concentram muitos telespectadores. A organização já promoveu mais de seis mil eventos educativos até o momento ao longo do país, diz Shermaze Ingram, diretora sênior de relações com a mídia, no grupo.

As emissoras locais de televisão vêm veiculando anúncios regularmente para alertar as pessoas quanto à transição digital que se aproxima. Algumas emissoras mantêm os alertas no ar constantemente, como mensagens de texto que correm pela porção inferior da tela. O fundo de educação da Conferência de Lideranças de Direitos Civis recebeu verbas de US$ 1,65 milhão e a Associação Nacional de Agências de Área para o Envelhecimento recebeu US$ 2,7 milhões para bancar campanhas de educação dirigidas aos freqüentadores de centros comunitários e outros locais de associação sobre a necessidade de comprar um conversor, e sobre como programá-lo e instalá-lo.

A Associação Nacional da Mídia Eletrônica, que estima que US$ 1 bilhão tenha sido investido em anúncios e outros esforços de marketing relacionados à questão, ofereceu às autoridades a criação de uma central de atendimento telefônico que poderia responder aos pedidos de informações do total estimado em um milhão de consumidores confusos que devem contactar as autoridades em 18 de fevereiro; a estimativa é de que pelo menos mais um milhão de pessoas procurem informações a respeito do problema nos dias seguintes.

O Congresso permitiu que as estações analógicas de TV continuem a transmitir por 30 dias adicionais, com programação contendo anúncios educativos sobre a transição. E o setor de TV a cabo concordou em não transferir alguns de seus canais para uma faixa digital especial antes de 1° de março, a fim de não causar ainda mais confusão entre os espectadores quanto às mudanças no sistema televisivo.

A situação vem sendo complicada desde o início. Consumidores se queixaram no site da Consumer Reports que não havia conversores à venda em suas cidades antes que expirasse o prazo de validade dos cupons. "Por que a pessoa não pode solicitar um cupom caso não tenha usado o primeiro?", questiona Kelsey, da União de Defesa do Consumidor. "Isso é um erro de administração na transição que existe desde o primeiro dia do Congresso".

A data de validade dos cupons, que foi imposta por decisão do Congresso, restitui o dinheiro não utilizado ao programa, para ajudar a bancar os conversores de outros consumidores, disse Meredith Baker, subsecretária assistente da Administração Nacional de Telecomunicações e Informação. O programa agora conta com verbas suficientes para bancar 56 milhões de cupons.

As pessoas que já têm conversores descobriram o "efeito penhasco". Caso o sinal recebido não seja forte, o telespectador não recebe a imagem embaralhada que é comum em um sinal analógico fraco: simplesmente não há imagem, porque a transmissão digital ocorre em sistema de tudo ou nada. Além disso, a depender da área, as antenas internas destinadas a receber apenas canais VHF talvez precisem de substituição.

A maioria dos televisores portáteis, como os usados por torcedores de esportes nas praias ou em estádios, deixarão de funcionar depois da transição.

E, no dia da conversão, os telespectadores também precisarão instruir seu conversor a procurar os canais para registro. (E caso desejem um guia de programação eletrônico atualizado, precisarão instruir o conversor a repetir o processo a intervalos regulares.)

Para agravar ainda mais as coisas, a data de transição ocorrerá em um período de frio e gelo intenso na maioria do país.

"Estamos pedindo que os idosos saiam de casa na neve para comprar um conversor?", diz Kelsey. "Só falta que, em 18 de fevereiro, alguém caia do telhado e se machuque, na tentativa de instalar sua nova antena digital".

Samsung SDI paralisa parte de produção de telas de plasma

A Samsung SDI, fabricante de telas de plasma e baterias, anunciou nesta terça-feira que vai parar uma de suas linhas de produção de plasma a partir do final deste ano para reduzir custos.

Um porta-voz da Samsung SDI informou que a paralisação não afetará sua atual produção uma vez que outras duas linhas de plasma da empresa aumentaram produtividade.

Cães-robôs são opção de presente na Coréia do Sul

Os cachorros-robôs podem expressar centenas de sentimentos
Os cachorros-robôs podem expressar centenas de sentimentos

Os robôs estão entre as opções de presentes para o Natal na Coréia do Sul. Uma loja em um shopping center de Seul, por exemplo, vende robôs em forma de cachorro.

Os cachorros robóticos, de inteligência artificial, podem expressar centenas de sentimentos diferentes, informou a agência EFE.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

HouseCall, da Trend Micro, tem brecha que permite ataque, diz Secunia

Uma falha no serviço online de segurança da Trend Micro pode ser usado por crackers para seqüestrar PCs com Windows rodando o Internet Explorer, alertou a consultoria Secunia neste sábado (18/12), classificando a brecha com seu ranking mais severo de perigo.

Crackers que pudessem enviar a vítima a um site malicioso poderiam se aproveitar de uma brecha no controle ActiveX customizado que a Trend Micro distribui a usuários em seu serviço gratuito HouseCall, segundo relatório da Secunia.

A Trend Micro afirmou que corrigiu o problema e atualizou os servidores públicos do HouseCall, mas afirmou que a correção ainda não foi amplamente testada.

"Essa correção foi desenvolvida como uma solução rápida ao problema reportado. Como tal, recebeu testes limitados e não foi certificado como uma atualização oficial de produto", alega a empresa em anúncio. "A Trend Micro não oferece garantia ou promete que a operação com a atualização funcionará corretamente".

Usuários com o navegador Internet Explorer, da Microsoft, o único que exige o controle ActiveX, devem rodar a versão 6.6 do serviço, ao invés do antigo HouseCall 6.5, defende a Secunia.

Companhias usando a ferramenta HouseCall Server em seus servidores devem requisitar o HouseCall 6.6 Hot Fix Biuld 1285 pelos canais de suporte convencionais, alerta a companhia.

Microsoft volta a estender venda de Windows XP - agora em 4 meses

A Microsoft resolveu estender em quatro meses a venda de licenças do Windows XP para integradores, fazendo com que o sistema operacional ganhe novas autorizações de uso até 30 de maio de 2009 - prazo atual ia até 31 de janeiro de 2009 para o uso de novas licenças em em micros que não netbooks ou ultraportáteis.

Netbooks e ultraportáteis foram alvo de outro anúncio da Microsoft sobre o prazo de venda do Windows XP - equipamentos do tipo poderão ser vendidos com o sistema operacional integrado até 30 de junho de 2010.

As licenças cujo prazo de venda foi estendido dizem respeito às usadas pelas fabricantes caso consumidores apelem para o "downgrade", prática permitida pela Microsoft para que um PC vendido com Windows Vista venha com uma cópia do Windows XP.

A venda do Windows XP deveria ter sido interrompida originalmente em 30 de janeiro de 2008, mas sofreu seguidos adiamentos dado o sucesso do Windows XP entre usuários e aos problemas de vendagem que o Vista teve ao lançado oficialmente.

Celular Sony tem sensor de movimento para games

Sony Ericsson F305 detecta movimentos do usuário em jogos de boliche, pesca ou jóquei, por exemplo
Sony Ericsson F305 detecta movimentos do usuário em jogos de boliche, pesca ou jóquei, por exemplo

Um novo modelo de celular lançado no Brasil pela Sony Ericsson conta com sensor de movimentos dedicado a jogos, o Motion Gaming, capaz de detectar ações como arremessos de bola num game de boliche ou puxadas no anzol em títulos de pesca ao balançar o pulso ou o braço. Inicialmente, os usuários contam com três jogos gravados para o Motion Gaming: Bowling (boliche), Bass Fishing (pescaria) e Jockey (jockey). Batizado de F305, o aparelho tem preço sugerido de R$ 599.

Além das funções dedicadas jogos eletrônicos, o F305 traz uma série de recursos multimídia como câmera de 2 megapixels, suporte a Java, reprodutor de arquivos de música MP3 e AAC, rádio FM e identificador de canções; os alto-falantes do produto são estereofônicos e podem entrar no lugar dos fones de ouvido em ambientes mais tranqüilos.

Fisicamente, o aparelho tem espessura de menos de 15 milímetros e peso de aproximadamente 98 gramas. Apesar das dimensões reduzidas, a tela tem tamanho de 2 polegadas com resolução de 176 por 220 pontos.

A memória interna padrão do celular é de 10 MB, com suporte a cartões de 2 GB tipo Memory Stick Micro (M2); a conectividade Bluetooth para troca de dados também está presente, assim como porta USB.

A embalagem do F305 inclui ainda headset modelo HPM-60, correia de pulso, guia do usuário, capa, bateria e carregador. Especificamente sobre esses dois últimos itens, a Sony Ericsson aponta que a autonomia é de até 8 horas para fala e 400 horas em espera.

Este deve ser o último Natal dos CDs, prevê instituto de pesquisa

Este é o último Natal para a venda de CDs, segundo o Gartner. A distribuição musical deve seguir para a internet, e a indústria deve abraçar oportunidades online para alcançar suas metas de receita, aponta a consultoria.

Em 2007, a participação de mídias físicas na venda de músicas ficou em 77% nos Estados Unidos, bem abaixo dos 91% registrados em 2005, e com tendência de cair mais rapidamente a partir de agora, ainda que o mercado norte-americano para músicas online (23%) seja maior, na média, do que no restante do mundo (15% do total).

A consultoria aponta que as lojas norte-americanas estão inclusive diminuindo o espaço cedido aos CDs - e já que em 2012 um total de 77% dos domicílios dos EUA terão banda larga, há um grande público aguardando estas medidas de distribuição alternativa à mídia física.

Dessa forma, seriam eliminados os custos com entrega e materiais, em um modelo ‘burn-on-demand’. Segundo o Gartner, contudo, isso não significa que os CDs desaparecerão totalmente - mas seriam usados mais como uma ferramenta promocional, por exemplo.

Brasileiros terão serviços exclusivos do Yahoo no 1º tri de 2009

No primeiro trimestre de 2009, o Yahoo lançará aplicativos e serviços exclusivos para os brasileiros, pela Célula de Experimentação, um laboratório de idéias já estabelecido no Yahoo da Espanha e da Índia.

A nova unidade do Brasil está sob a liderança do gerente de tecnologia do Yahoo, Antonio Carlos Silveira, que iniciou a estrutura e formação de equipe no último trimestre.

“Em novembro, iniciamos pesquisas sobre as necessidades do consumidor e do jovem brasileiros. Queremos inovar com o que o público precisa e não é atendido”, explica Silveira.

Segundo o gerente, a equipe descobriu que uma das principais características dos brasileiros é "testar novos serviços que permitem que eles se comuniquem com outras pessoas”.

Outros contextos mostram as especifidades locais. “Em Hong Kong, blogs são muito importantes, então lá temos uma ferramenta de blog voltada para aquele público. Na Coréia do Sul, mapas são importantes, pois todos têm celular com GPS, e o produto se adaptou a essa realidade”, resume Silveira.

Mas o gerente deixa claro que o enfoque da Célula está mais para comportamento do que para pesquisas intelectuais. “Queremos as tendências para trazermos um produto rapidamente ao mercado brasileiro”.

Silveira afirma estar na fase de criação de ‘protótipos’ e revela apenas que os produtos lançados no Brasil no início de 2009 em beta público terão a ver com a comunicação entre as pessoas.

Gastos com TI na Europa e nos EUA devem cair 2% em 2009, diz UBS

Companhias dos Estados Unidos e da Europa devem gastar 2 por cento menos em tecnologia da informação (TI) em 2009, após um 2008 estável. A empresa SAP é vista como a mais provável a se beneficiar um eventual aumento de gastos, de acordo com uma pesquisa do UBS.

Três quartos dos 100 chefes de informação pesquisados disseram que não pretendem cancelar contratos de manutenção — fontes importantes de receita recorrente para os fornecedores de Softwares —, mas 70 por cento disseram que esperam negociar termos melhores.

As receitas das companhias pesquisadas para o relatório publicado nesta segunda-feira variaram entre 2 bilhões de dólares para mais de 10 bilhões de dólares anualmente, e representam indústrias que variam de comunicações e saúde a serviços públicos.

O uso de servidores deve desacelerar, informou o UBS, com os gastos com servidores Windows, da Microsoft, esperados para crescer 2 por cento em 2009 após 3 por cento 2008, e servidores de plataforma aberta Linux devem permanecer estáveis em 1 por cento.

Os gastos com administração de sistemas, que incluem áreas que vão de automação de bancos de dados a corte de funcionários, deve crescer 1 por cento no próximo ano, com líderes do mercado norte-americano, como BMC Software e Hewlett-Packard sendo vistos como os maiores beneficiários.

O crescimento de vendas de programas de virtualização — que permitem que os computadores ajam como máquinas virtuais ao rodar mais de um sistema operacional, o que aumenta a sua eficiência — deve desacelerar 6 por cento em 2009 ante 10 por cento em 2008.

Austrália planeja censurar 10 mil sites na internet

O governo da Austrália quer introduzir filtros obrigatórios na internet para impedir que arquivos considerados ilegais sejam baixados. Com o argumento de que a filtragem é necessária para proteger crianças que surfam na internet e impedir a divulgação de pornografia infantil e idéias extremistas, cerca de 10 mil sites foram selecionados pelo governo australiano em sigilo para ser censurados.Serão investidos US$ 70 milhões no Plano de Segurança na internet.

"Eles (o governo) falam sobre a segurança para as crianças na internet apenas para tranqüilizar famílias, mas os filtros não irão impedir o acesso a websites. É fácil enganar a filtragem e conseguir o acesso em 20 minutos", disse Geordie Guy, membro da Fronteiras Eletrônicas da Austrália, uma organização sem fins lucrativos que é contra o plano.

"Além disso, a velocidade da internet diminuiria em 85%, e isso seria um problema sério porque os filtros bloqueariam materiais legais sem querer", complementou.

O grupo recentemente lançou a campanha No Clean Feed - Pare com a censura na internet na Austrália, que já conta com 25 mil simpatizantes.

  • "Partido do Sexo"

Outro grupo ativista é o Partido do Sexo, o mais novo partido político do país, que tem em sua lista de prioridades "abolir o filtro pornô da internet", segundo consta no site oficial da organização.

Os críticos da censura argumentam que a lista de sites bloqueados não foi revelada pelo governo e poderia até mesmo impedir material político no futuro, como acontece em países como China, Irã e Arábia Saudita.

Devido à grande controvérsia, o governo australiano está lutando para receber apoio para o projeto. Até mesmo grupos de defesa do bem-estar infantil se opuseram ao plano, argumentando que a verba deveria ser usada para outros fins.

  • Luta contra a pedofilia

Na próxima semana, o governo australiano planeja testar os filtros em algumas empresas do país ainda não escolhidas - antes da implantação do plano, prevista para maio de 2009.

Recentemente a polícia australiana prendeu 19 acusados de troca de arquivos contendo pornografia infantil com a ajuda da polícia brasileira.Cerca de 500 mil imagens de abuso de crianças e 15 mil vídeos foram apreendidos.

As autoridades australianas disseram que as informações fornecidas pelo Brasil à rede internacional de polícia, a Interpol, ajudaram a identificar mais de 200 suspeitos em 70 países.

Transforme seu pendrive em um pacotão de aplicativos

Não há dúvida que os pendrives são ferramentas extremamente úteis no nosso cotidiano, pois é possível levar para qualquer lugar todo o tipo de arquivo. Se você tem por volta dos 15 anos, provavelmente nunca viu um disquete – sorte sua -, mas já ouviu falar neles pelo menos. Os disquetes, com certeza, ajudaram a facilitar a vida de muitas pessoas, pois com eles era possível transportar documentos, fotos, tabelas e arquivos para todos os lugares, porém nem sempre eles chegavam “inteiros” ao destino.

Quem usou a tecnologia do disquete, certamente tem alguma história para contar sobre o dispositivo e, nem sempre, uma história feliz. Além de possuir capacidade limitada – aproximadamente 2 MB-, os famosos disquetes eram muito instáveis, ou seja, você salvava um arquivo hoje, mas tinha arrepios quando ia abri-lo novamente, porque a possibilidade dele ter se perdido era enorme.

Felizmente, os pendrives chegaram e lançaram uma nova esperança na vida de quem precisa transportar arquivos para todos os lugares, pois como este dispositivo é mais seguro que o disquete, todos podem dormir sossegados. Além da segurança oferecida pelos pendrives, mudanças significativas na capacidade também foram aprimoradas, pois se compararmos 2 MB com os 16 e 32 GB dos pendrives atuais pode-se notar a enorme diferença.

As coisas mudam...ainda bem!


  • Use seu pendrive para...


Para que você tire o melhor proveito possível do seu dispositivo, neste tutorial vamos ensinar como inserir vários aplicativos interessantes no seu pendrive e, assim, usá-lo ainda mais. Para começar, vale lembrar que você precisa ter um pendrive de acordo com as suas necessidades, ou seja, não adianta você querer ter mais programas do que a capacidade do dispositivo aceita.

  • Do que você precisa


Para começar a colocar programas portáteis no seu pendrive e deixá-lo pronto para qualquer tarefa, é importante que você faça o download do aplicativo PortableApps. Esta suíte permite que aplicativos que tenham versão portátil, rodem com mais desenvoltura no seu pendrive. Além disso, ela oferece programas voltados ao trabalho (BrOffice), um navegador (simplesmente o Mozilla Firefox), um antivírus, mensageiro instantâneo e até um Sudoku.

Em primeiro lugar, faça o download do PortableApps, mas antes de instalá-lo, conecte seu pendrive na porta USB do computador. Feito isso, proceda a instalação normalmente, porém preste atenção na hora de escolher o local que a pasta do aplicativo será salva, pois você precisa salvá-la no seu pendrive. Para isso, quando esta tela aparecer, clique em “Browse” e, em seguida, selecione o seu pendrive.

Confira os passos necessários.

Vale lembrar que para poder instalar a suíte de aplicativos, você precisa ter mais de 516 MB disponíveis no seu pendrive e, desta forma tudo possa funcionar corretamente. Depois de instalado no pendrive, basta abrir a suíte e desfrutar dos programas disponibilizados. Para isso, clique sobre os aplicativos que deseja utilizar naquele momento e se aventure no mundo portátil oferecido pelo PortableApps.

Interface descolda.

  • Quer mais?

Mesmo com a grande quantidade de aplicativos, você pode não estar satisfeito com alguns deles ou, simplesmente, precisa de algo mais específico. Sem problemas, com o PortableApps, é possível adicionar quantos aplicativos seu pendrive suportar sem se preocupar.

Ainda bem que as coisas mudam!

  • Do que mais você precisa?

Digamos que você precisa de um player de música portátil, um descompactador, editor de imagens ou um gravador de CDs e DVDs. Você pode inserir todos este aplicativos clicando – na interface do PortableApps – em “Opções/Adicionar Programas”.

Para escolher os programas e usar esta opção, entre na categoria “Ferramentas para pendrives”, selecione o aplicativo que você precisa e faça o download normalmente. Quando for instalá-lo, siga o mesmo procedimento, ou seja, não se esqueça de selecionar o diretório do pendrive para que o programa seja armazenado dentro do dispositivo.

Atalho na barra de sistemas.

Para ter acesso aos aplicativos instalados ou os que acompanham a suíte, basta inserir o pendrive em qualquer computador e aguardar que as opções de ações sejam exibidas. Se isso não acontecer, vá até “Meu Computador/Dispositivos com armazenamento removível”.

Enquanto o PortableApps estiver funcionando, um pequeno ícone é exibido na barra de sistemas (barra ao lado do relógio), para abri-lo, clique com o mouse sobre o ícone e aproveite tudo o que seu pendrive tem a oferecer.

Saia do feijão com arroz, transforme seu pendrive em um mini disco rígido e descubra que ele pode ser usado em muitas outras tarefas e ir além de levar seus arquivos, vídeos, músicas ou fotos.

Sistema do Itaú sofre pane às vésperas do Natal

Diversas agências do Itaú, maior banco privado do Brasil, espalhadas por todo o território nacional ficaram sem sistema desde as 13 horas de hoje (22/12). A área de tecnologia da informação do banco afirmou estar ciente do fato, mas ainda não tem um parecer oficial.

Além das agências bancárias, o problema afeta o site Itaubankline e o sistema Redeshop (cartões de débito) - este informa, por meio do terminal, que não consegue contactar a rede do Banco.

A queda do sistema foi classificada como um "pequeno problema" por um dos funcionários responsáveis pela área de canais eletrônicos do Itaú. Já a assessoria de imprensa da organização disse que vai emitir um comunicado oficial para explicar a causa do problema.

Nova atualização do Firefox 2 inclui correção de segurança ignorada

A Mozilla divulgou a atualização final para o Firefox 2.0 nesta sexta-feira (19/12), corrigindo algo prometido no começo da semana quando esqueceu de atualizar a versão para Windows do navegador. O Firefox 2.0.0.20 adicionou o patch que a Mozilla omitiu no Firefox 2.0.0.19 em razão de um "erro não especificado".

O pacote, descrito como um dos menos severos por Mike Beltznet, diretor do Firefox, corrigiu uma falha que poderia ser usada por crackers para roubar informações dos usuários.

Ainda que faltasse a correção apenas para a versão para Windows do Firefox 2.0.0.19, as versões para Mac OS e Linux também foram alteradas para 2.0.0.20 como forma de manter a sincronia em todas as plataformas.

A Mozilla aproveitou a oportunidade para incentivar usuários mais uma vez a mudar para o Firefox 3.0, enquanto oficialmente aposenta a segunda versão do navegador aberto, que não terá mais correções de segurança. Desde que lançou o Firefox 3.0 em junho, a Mozilla estendeu por duas vezes o prazo para usuários do Firefox 2.0.

Usuários podem baixar o Firefox 2.0.0.20 a partir do site da Mozilla ou atualizar sua versão do navegador a partir da sua ferramenta automática.

Em pouco mais de dois anos de vida útil, o Firefox 2.0 tem apenas 4,8% no mercado de navegadores, segundo dados da NetAppliccations. Em maio, último mês em que esteve como única opção da Mozilla, seu índice chegou a 17,2%.

Passageiro narra acidente de avião pelo Twitter

O americano Mike Wilson ganhou destaque na imprensa depois de fazer uma série de comentários no serviço de microblogging Twitter, momentos depois de participar de um acidente de avião.

Wilson estava em um vôo da Continetal Airlines, neste domingo, quando a aeronave saiu da pista durante a decolagem em Denver, despencando de um barranco de 12 metros. Segundo o site news.com, o avião pegou fogo e pelo menos 58 passageiros ficaram feridos.

Logo depois do acidente, Wilson usou seu telefone celular para enviar uma mensagem para seus "seguidores" no Twitter: "PQP! Acabo de sair de um acidente de avião".

Wilson continuou enviando relatos e comentários sobre o acidente. Mais tarde, conta o Guardian, reclamou do tratamento dado pela Continental Airlines aos passageiros, dizendo que deveriam ter sido levados à sala de espera VIP. "Nem ao menos nos serviram bebidas", escreveu.

O microblogger também publicou uma foto tirada com seu celular no local do acidente.

Palm recebe investimento de US$100 milhões e ações disparam

A Palm anunciou na segunda-feira que o grupo de capital privado Elevation Partners fechou acordo para elevar em 100 milhões de dólares seu investimento na problemática fabricante de celulares inteligentes. O anúncio fez as ações da companhia disparar 24 por cento.

A infusão de capital surge no momento em que a Palm, fabricante dos celulares inteligentes Centro e Treo, se prepara para o muito aguardado lançamento de um novo aparelho e sistema operacional, no ano que vem.

A empresa vem perdendo mercado constantemente para as rivais Research in Motion, fabricante do BlackBerry, e Apple, fabricante do iPhone.

Na semana passada, a Palm divulgou queda de 39 por cento em sua receita do segundo trimestre do ano fiscal do grupo.

"O capital adicional da Elevation Partners permitirá que ganhemos força em nossos lançamentos de produtos em 2009 e nos oferecerá estabilidade adicional em um momento de perturbação econômica", declarou Ed Colligan, presidente-executivo da Palm, em comunicado.

Alguns analistas vinham apontando para uma necessidade da Palm levantar capital adicional. A Elevation comprou participação de 25 por cento na empresa por 325 milhões de dólares, no ano passado.

No ano, as ações da Palm acumulam desvalorização de cerca de 50 por cento.

Games se transformam em canal de distribuição para indústria musical

Caem as vendas de música, crescem as vendas de games musicais. A tendência não é nova, mas se intensificou em 2008, levando a indústria e os artistas a prestarem mais atenção aos videogames e jogos como “Guitar hero” e “Rock band”.


A federação das gravadoras dos Estados Unidos (RIAA, na sigla em inglês) registrou queda de 11,8% nas vendas de música em 2008, em relação ao ano anterior. Enquanto isso, as vendas de jogos musicais dobraram este ano, atingindo US$ 1,9 bilhão, segundo o grupo de consultoria NPD.

O Aerosmith lucrou mais com sua versão do game “Guitar hero”, lançado em junho, do que com cada um de seus dois últimos discos, segundo Kai Huang, co-fundador da RedOctane, responsável pela franquia que "inaugurou" o gênero, em 2005. “A exposição que o artista tem em ‘Guitar hero’ é gigantesca”, diz ele.

Nesses games, o jogador tem controles que simulam instrumentos reais, como guitarra, bateria e microfone. As notas são representadas por botões coloridos, que devem ser tocados na hora certa para que o show agrade a platéia.

Foto: Divulgação

Jogadores formam banda completa em música de 'Rock band', um dos jogos responsáveis pelo crescimento na venda de músicas

Embora o diretor-executivo da Warner Music, Edgar Bronfman Jr., tenha reclamado que as gravadoras ganham menos do que deveriam com os games, elas continuam a apostar nessa nova plataforma de negócios.


A venda de músicas de bandas como Nirvana e Red Hot Chili Peppers mais que duplicou depois que elas apareceram nesses jogos. Além do Aerosmith, o AC/DC ganhou uma versão exclusiva de "Rock band", e o Metallica lançou seu disco mais recente em "Guitar hero". Em 2009, Metallica e Beatles são os próximos a terem seus próprios games.

  • Salvação para a indústria

“É uma maneira de salvar a indústria da música”, diz Grant Lau, funcionário de um bar de Los Angeles que promove seções de “Guitar hero” e “Rock band” no palco.


Ele diz que os games protegem os artistas da pirataria, já que o usuário precisa ter um videogame original para poder comprar as músicas que são lançadas via download. "Você não pode gravar as músicas e distribuir pela internet", explica.

"Guitar hero: world tour", lançado em outubro, leva a lista de músicas a um novo patamar. O jogo permite que o usuário crie suas próprias canções e as compartilhe com a comunidade on-line.

Segundo Huang, da RedOctane, mais de 65 mil músicas já foram criadas e cadastradas pelos jogadores na rede. É com recursos assim que ele espera que os videogames se tornem "a maior plataforma de distribuição de música do mundo".

Números da NPD indicam que a franquia "Guitar hero" soma 22 milhões de unidades vendidas nos EUA desde 2005, contra 5 milhões de "Rock band", lançado em 2007.

Além das músicas de cada jogo, o usuário de Xbox 360 e PlayStation 3 pode comprar novas faixas via download. Mais de 55 milhões de músicas já foram baixadas desde que as lojas on-line passaram a funcionar - a maioria das músicas custa o equivalente a US$ 1,99, mas também existem downloads gratuitos.

Médicos britânicos alertam para lesões causadas por excesso de jogo no Wii

Socos no ar, golpes de espada e tacadas virtuais, movimentos comuns em jogos do videogame Wii, podem estar causando efeitos colaterais até então inéditos para os jogadores. A "nova forma de jogar", que troca os botões tradicionais por movimentos intuitivos, pode resultar em lesões musculares e dores, alertam médicos britânicos.

Uma reportagem do jornal "Telegraph" diz que médicos do Leeds Teaching Hospital já "diagnosticaram" o caso - "Wii knee" é o nome dado às contusões. Em entrevista ao jornal, o pediatra Andrew Coley explica que o excesso de jogo no Wii para "novatos", sem o preparo adequado, pode causar contusões.

O Wii foi lançado em novembro de 2006 e atraiu uma nova audiência com seus jogos mais simples. Em "Wii sports", um dos mais populares, o jogador pode praticar tênis, boxe, golfe e boliche, entre outras modalidades. Os comandos são realizados pelo Remote, controle sem fio que reconhece a força e a direção dos movimentos do jogador, reproduzindo o resultado na tela.

Foto: Renato Bueno/G1

Jogadora dá tacada no jogo de golfe 'Tiger Woods 09', para Nintendo Wii

O manual de instruções do Wii e a maioria dos jogos da Nintendo orientam o jogador a evitar o excesso de jogo. Em determinados intervalos, o jogador recebe mensagens na tela que sugerem um tempo de descanso, para evitar dores ou contusões.

  • Jogatina de Natal

O número das contusões pode aumentar no Natal, época em que o Wii, líder de vendas entre os consoles modernos, é um dos presentes mais populares.

Em entrevista ao "The Sun", o doutor Dev Mukerjee, do Hospital Broomfield, em Chelmsford (Essex, Inglaterra), diz que viu as contusões causadas pelo Wii aumentarem 100%. "É possível que isso cause reumatismo e artrite futuramente. Os pacientes geralmente apresentam inflamação nos ombros e nos pulsos", explica.

Os médicos recomendam que os jogadores não exagerem nos "exercícios" e, que, antes de jogar, façam alongamentos.

Foto: Divulgação

'Wii fit' traz exercícios físicos e alongamentos em formato de academia virtual no Wii

Ironicamente, o mesmo Wii que pode causar essas lesões também é utilizado em academias e clínicas para exercícios físicos e fisioterapia. Um dos jogos mais inovadores do videogame, por exemplo, é "Wii fit", em que o jogador realiza alongamentos e exercícios físicos com o objetivo de entrar em forma e corrigir sua postura.